MANUAL DE ÉTICA

A Aliança das Igrejas Cristãs Nova Vida é um compromisso informal, ético e espiritual de Bispos e Pastores oriundos de diversas igrejas independentes e cujo objetivo é a uniformização do entendimento doutrinário bíblico através de discussões, estudos bíblicos e orientação espiritual mútua, para que, assim, cada um possa desempenhar melhor a liderança do presbiteriado em suas igrejas, com vistas à consecução da visão espiritual deixada por Nosso Senhor Jesus Cristo, qual seja a de levar a Palavra e formar discípulos em todo mundo.

RESPONSABILIDADES DOS BISPOS E PASTORES DA IGREJA CRISTÃ NOVA VIDA

» Aos membros da Aliança de Nova Vida (bispos e pastores) caberá a responsabilidade de manterem, em sua vida particular e pública, conduta exemplar, honrada e de boa reputação, cumprindo seus compromissos familiares, eclesiásticos e civis, tendo como fonte para tais procedimentos a Bíblia Sagrada, as normas jurídicas vigentes e a ética razoável.
» Aos membros da Aliança de Nova Vida caberá o uso, em suas igrejas, do Estatuto padrão.
» Aos membros da Aliança de Nova Vida será obrigatória a freqüência regular às reuniões do presbitério. Qualquer exceção terá que contar com a permissão dos bispos.
» Aos bispos caberá orientar e disciplinar os membros do Presbitério Nacional nas questões da vida particular que afetem o ministério e nas questões eclesiásticas em geral, de acordo com os três princípios básicos que regem a Aliança – Doutrina, Ética e Envolvimento Financeiro – desdobrados neste manual.
» Aos bispos e pastores da Aliança de Nova Vida caberá a observância dos parâmetros contidos neste manual, sem exceção, em prol da saúde deste corpo ministerial através da boa convivência cristã.
» Os bispos deverão disciplinar o pastor que tiver quebrado as normas deste manual corrigindo-o e instruindo-o, com o propósito de recuperá-lo para o exercício saudável de suas funções pastorais. O faltoso será excluído apenas em caso de recusar-se a acatar as orientações dos bispos.
» Em caso de denúncia ou suspeita de conduta faltosa, acusado e acusador deverão apresentar provas e serem acareados na presença dos bispos. Não serão aceitas denúncias anônimas como prova.

DOUTRINA

1. Questões doutrinárias
» Esta parte está contida na Declaração de Fé da ICNV.

2. Questões polêmicas » Em caso de dúvida, sugere-se que, questões polêmicas como: aborto, desquite, divórcio, eutanásia, homossexualismo, inseminação artificial, bebê de proveta, clonagem, ligaduras, vasectomia, anticoncepcionais, jogos, sorteios, etc deverão ser levadas ao bispo da sua região para a necessária orientação. Estas questões deverão ser tratadas pelo Conselho de Bispos para que tenhamos uma linha padrão de resposta..

ÉTICA

1. Questões de seguridade

» Todos os membros da Aliança de Nova Vida estão obrigados a participar do sistema de aposentadoria do INSS (carnê ou desconto direto no provento).
» O complemento previdenciário particular é aconselhável, mas não obrigatório, visando ao bem estar futuro de sua família.
» Todos os membros da Aliança de Nova Vida estão obrigados a prover para seus dependentes um PLANO DE SAÚDE de empresa particular que dê cobertura em internações e cirurgias.
» É opcional, mas recomendável, que o templo, anexos e bens de cada igreja estejam cobertos por seguros contra roubo, incêndio e desabamento.


2. Qualificações necessárias para estar constituída uma igreja

» Ter consentimento dos bispos antes de qualquer providência.
» A igreja mãe deverá possuir sede própria.
» A igreja mãe deverá ter condições financeiras para sustentar as despesas da igreja filha, até que esta possa caminhar sozinha (tempo indeterminado). Até que isto aconteça, a igreja filha continuará sendo congregação sob total responsabilidade da igreja mãe.
» Em caso de abertura de uma congregação, igreja filiada ou, ainda, em caso de mudança de endereço de uma igreja já existente, deverá haver o cuidado de observar se há uma distância generosa, dependendo da localidade, de outra ICNV. Neste caso será necessário obter a concordância do pastor daquela ICNV vizinha ou próxima.
» Recomenda-se evitar a abertura de um ICNV em local muito próximo a qualquer outra igreja evangélica, devendo-se observar, no entanto, as condições do bairro no tocante à densidade populacional.
» Caso seja necessário, o pastor deve pedir auxílio ou informações aos colegas de presbitério sobre compra, locação e construção de imóveis.

3. Relação do pastor com os membros de sua igreja

» Os pastores deverão relacionar-se com os membros de sua igreja apenas em âmbito pastoral, sempre de modo cordial e amistoso, não se envolvendo, com eles, em atividades comerciais.
» Os pastores deverão proibir que se desenvolva na igreja quaisquer sistemas de vendas piramidais,”marketing de rede” ou qualquer outro tipo de comércio, excetuando-se fitas e CDs de pregações, Bíblias, livros cristãos ou outros materiais que tenham como propósito a edificação dos membros.
» Os pastores não deverão tomar empréstimos de membros, quer seja em dinheiro, bens de alto valor pecuniário ou estimativo.
» Os pastores não poderão dar aval ou ser fiadores em qualquer negócio fora dos interesses diretos da ICNV.
» O pastor não poderá alugar, sublocar, arrendar ou permitir que membros de sua igreja usem as dependências da mesma para exercerem trabalhos profissionais, quer seja para comércio ou indústria.
» Os assuntos sigilosos que qualquer pessoa exponha ao pastor deverão ser considerados invioláveis por ele. Logo, tais assuntos não devem ser comentados com membros ou usados como ilustração em mensagens.
» É aconselhável que o pastor não aceite convite para ser padrinho de casamento, para que ninguém se sinta discriminado em face da grande quantidade de pedidos.
» Os pastores poderão desenvolver amizades pessoais com os membros da igreja desde que isto não interfira no bom exercício de suas funções pastorais.

4. Relação do pastor com os membros de outra ICNV

» Ao receber transferência de membros de outra igreja, consultar seu antigo pastor sempre que possível.
» Acatar eventuais atos disciplinares que o pastor anterior tenha imposto.
» Consultar o pastor anterior a respeito do aproveitamento do novo membro na obra de Deus.
» Não dar cargos a membros de outra igreja sem que antes se tenha efetuado a devida transferência.

5. Relação do pastor com o diácono

» O diácono é chamado a servir ao pastor que o ordenou.
» Na saída permanente do pastor regente, o diácono deverá entregar a sua pasta ao pastor substituto para que este decida sobre a sua permanência ou não no diaconato.

6. Relação do pastor com seus colegas de presbitério

» Não expor problemas ou erros de outros pastores e nem criticá-los publicamente.
» Tratar de assuntos e compromissos, pastorais e entre igrejas, diretamente com o pastor, evitando intermediários.
» O pastor não deve interferir no ministério ou no corpo ministerial de outra ICNV.
» Procurar atender pessoalmente a pastores convidados, evitando deixá-los entregues à atenção de funcionários, membros ou diáconos.
» Consultar o pastor convidado a respeito da necessidade de suprir eventuais despesas com sua visita à igreja.

7. Relação do pastor e da igreja local com a sociedade

» Respeitar as normas municipais ou quaisquer outras no tocante aos níveis de volume dos equipamentos de som da igreja.
» Almejar sempre uma relação cordial com a vizinhança, procurando evitar que a igreja cause transtornos com relação a som, trânsito etc.
» Não expressar de púlpito, nem permitir que alguém o faça, opiniões favoráveis ou desfavoráveis a quaisquer personalidades políticas, militares, eclesiásticas, artísticas, desportivas etc.

8. Relações com outros ministérios e entidades religiosas

» Não convidar para ministrar ao povo, pastores ou quaisquer ministros, que não pertençam à ICNV, sem consultar previamente os bispos – de preferência publicamente em presbitério.
» Não participar de eventos públicos que envolvam outras denominações ou seus ministros sem a consulta prévia aos bispos.

9. Relações com outras entidades de cunho secular

» Os membros da Aliança de Nova Vida não se filiarão a entidades secretas e nem participarão de suas reuniões.
» Não será permitida a filiação do pastor ou da igreja em qualquer associação, instituição ou agremiação sem antes obterem consentimento dos bispos.

10. Relações com os meios de comunicação

» Não dar entrevistas nem participar de debates sem a permissão prévia dos bispos.
» Consultar os bispos a respeito do estilo dos programas de rádio ou televisão antes de realizá-los, consultando-os, também, a respeito da utilização de páginas na Internet.
» Submeter livros e CDs, antes de serem publicados, para apreciação dos bispos.

11. Relações políticas ou com políticos

» A igreja local e seus pastores não indicarão candidatos, não pedirão votos, não vincularão sua imagem a qualquer candidato ou partido e não convidarão ao púlpito qualquer indivíduo que esteja assim envolvido.
» Os pastores deverão manter postura sigilosa a respeito de suas preferências políticas, a fim de não influenciar membros e evitar discórdias de natureza política na igreja.

12. Indicação de candidatos ao ministério pastoral

» As cerimônias de ordenação pastoral serão realizadas, sempre, pelos bispos e na Catedral.
» O pastor regente deverá seguir o Manual de Ordenação, preenchendo todos os formulários e cumprindo todas as exigências.
» Será exigida, ainda, do candidato, uma pesquisa de idoneidade (SPC, SERASA, Bons Antecedentes etc) e uma avaliação psicológica deste e de sua esposa.


ENVOLVIMENTO FINANCEIRO

1. Cada Igreja Cristã Nova Vida deverá entregar o dízimo de todas as suas entradas financeiras ao Colégio de Bispos da Aliança de Nova Vida.

2. A utilização dos recursos oriundos dos dízimos e ofertas, entregues à Aliança de Nova Vida, será decidida pelo bispo primaz. Na sua ausência ou impossibilidade, os demais bispos, reunidos em conselho, decidirão sobre esta matéria. Os recursos serão sempre utilizados em prol dos objetivos da Aliança de Nova Vida.

3. A Aliança de Nova Vida não se responsabilizará por cobrir dívidas e eventuais prejuízos materiais dos pastores afiliados; devendo cada pastor ou igreja cuidar individualmente de seus assuntos financeiros.